Vai de carro? Conheça opções de estacionamento na Faria Lima

Carros perfilados em estacionamento coberto | Club Coworking

Fizemos um levantamento das melhores opções de estacionamento no Vale do Silício Paulistano para quem deseja ou precisa se locomover na região de carro.

A avenida Faria Lima é um dos endereços mais movimentados e prestigiados de São Paulo. Seja por motivos de trabalho, lazer ou moradia, cerca de meio milhão de pessoas circulam diariamente pela região. Aclamada como uma das áreas mais nobres e bonitas da cidade, a Faria Lima é um dos principais centros de negócios do País, mas também oferece suporte para quem busca viver com qualidade de vida e desfrutar de excelentes restaurantes, boates e shoppings.

Com tantos motivos para se frequentar o bairro, eis a questão: onde e quanto custa estacionar na região da Faria Lima? Fizemos um levantamento de cinco estacionamentos na localidade para facilitar a vida de quem deseja ou precisa se locomover por lá de carro, ao invés de usar transporte público ou alternativo

Leia também: Cinco padarias incríveis do Itaim Bibi

Veja a seguir algumas excelentes opções de estacionamento na região da Faria Lima.

1. MultiPark Internacional Plaza JK II

No mesmo endereço do Club Coworking – Faria Lima
End.: Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1327
Mensal: R$ 450
Uma Hora: R$ 19
Hora adicional: R$ 10 
Período de 12h: R$ 40

2. Garageinn – Cubo Itaú*

A 1 km do Club Coworking – Faria Lima
End.:Alameda Vicente Pinzon, 54
Mensal: R$ 300
Meia Hora: R$ 20
Segunda Hora: R$ 30
Terceira Hora: R$ 40
Quarta Hora: R$ 50
Diária: R$ 40

3. Garageinn – FL Residência*

A 650 m do Club Coworking – Faria Lima
End.: R. Elvira Ferraz, 251
Mensal: de R$ 270 a R$ 350
Meia Hora: R$ 25
Terceira Hora: R$ 35
Quarta Hora: R$ 45
Diária: R$ 80

4. GarageInn – FL Corporate*

A 500 m do Club Coworking – Faria Lima
End.:Av. Brigadeiro Faria Lima, 4300
Mensal: de R$ 300 a R$ 380
Meia hora: R$ 10
Primeira Hora: R$ 20
Segunda Hora: R$ 32
Terceira Hora: R$ 44
Quarta Hora: R$ 56

5. Maxx Park Vicente Pinzon*

A 1 km do Club Coworking – Faria Lima
End.:Alameda Vicente Pinzon, 173
Mensal: de R$ 290 a R$ 360
* Fonte: Coopark. Os preços podem variar de acordo com decisões das empresas ou da plataforma.

Consulte também as opções da Rede Estapar.

Faria Lima: o centro financeiro de São Paulo 

Conhecida como Vale do Silício Paulistano, a região da Faria Lima é um dos principais centros de negócios do País. O apelido não é para menos. Na região estão localizadas as maiores empresas high tech do mundo, como Facebook, Google, Yahoo!, Motorola, Intel, Symantec, Microsoft, B2W Digital entre muitas outras.

O bairro também abriga grandes companhias brasileiras e filiais de multinacionais como Unilever, Grupo Santander, McKinsey & Company, CPFL, Kimberly-Clark e Parmalat, além de inúmeros consultórios médicos, de advocacia, instituições financeiras, PMEs e startups.

De acordo com o estudo da Distrito São Paulo Tech Report, a cidade de São Paulo concentra 70% das startups paulistas. Das 1.885 empresas mapeadas na cidade em 2020, 873 estão na região oeste, especialmente na Av. Paulista, Faria Lima e Vila Olímpia. Vale observar que os bairros com maior concentração de startups também estão entre aqueles com maior IDH.

Também estão localizados no bairro centros comerciais de alto padrão como o Shopping Vila Olímpia e Shopping JK Iguatemi, e instituições de ensino conceituadas, como o Insper e a Universidade Anhembi Morumbi.

Principais vias próximas à Faria Lima

A avenida Faria Lima está localizada no bairro Vila Olímpia, que faz limite com Itaim Bibi, Brooklin Novo, Moema, Vila Nova Conceição e Cidade Jardim. Além da própria Faria Lima, outras importantes vias compõem a região: Av. Santo Amaro, Av. dos Bandeirantes, Marginal Pinheiros, Av. Juscelino Kubitschek e Av. Hélio Pellegrino.

Morar perto da Faria Lima

Por causa de sua localização privilegiada na cidade de São Paulo, excelente infraestrutura e acessibilidade, a região da Faria Lima atrai empreendimentos luxuosos para proporcionar excelente qualidade de vida para seus moradores. Esta é uma das áreas que mais tem se valorizado no mercado imobiliário de São Paulo.

Nos finais de semana, o volume de pessoas no bairro reduz drasticamente e a Vila Olímpia se transforma em um local tranquilo, muito mais silencioso e agradável para passeios ao ar livre. Aliás, o bairro está há apenas 10 minutos do Parque Ibirapuera e Parque Villa Lobos, verdadeiros oásis de natureza da cidade.

Além dos estacionamentos, a área conta também com uma vasta quantidade de serviços, supermercados, farmácias, cafés aconchegantes, restaurantes requintados e lojas de marcas famosas. A vida noturna é rica em opções de lazer e cultura e o bairro  está bem próximo de Itaim Bibi e Pinheiros, também conhecidos como points noturnos e pela badalação.

Conheça o Club Coworking Faria Lima

Os ambientes de trabalho compartilhados oferecem vantagens financeiras para as empresas, promovem o networking e são mais modernos, sustentáveis e inspiradores. O Club Coworking Faria Lima oferece infraestrutura de alto padrão para empresas de todos os tamanhos e é uma excelente alternativa para redução de custos fixos e para adaptação das equipes ao modelo de trabalho híbrido, tendência mundial acelerada durante a pandemia do COVID-19.

Veja nos conhecer. Agende uma diária gratuita agora mesmo.

Vá de bike! Ciclovia Faria Lima é solução para quem trabalha ou mora na região

A ciclovia da Faria Lima é a mais movimentada de São Paulo.

Cada vez mais popular nos grandes centros urbanos, as bicicletas são mais seguras que os transportes coletivos em relação à Covid-19. Descubra as vantagens de circular na Faria Lima de bike!

Se a ciclovia da Faria Lima já era preferência para deslocamentos de muitos cidadãos paulistanos,  durante a pandemia do Covid-19 ela se tornou a forma mais segura de circular na região. Isso porque a OMS (Organização Mundial da Saúde) indicou que a bicicleta é um dos melhores meios de transporte para reduzir a exposição das pessoas ao vírus, pois permite o distanciamento social.

Diante das circunstâncias de saúde pública, diversas cidades do mundo estão ampliando suas malhas cicloviárias e incentivando o ciclismo como meio de locomoção. Paris, por exemplo, está construindo mais 650 quilômetros de ciclovias e oferecendo um subsídio de 50 euros aos cidadãos que precisarem fazer pequenos reparos em suas bikes. O incentivo visa diminuir a propagação do vírus, além de tornar a cidade mais sustentável e saudável, física e mentalmente, para as pessoas.

De acordo com o estudo apresentado no 34º Congresso de Pesquisa e Ensino em Transporte da ANPET, as vantagens que a inserção da bicicleta como meio de transporte apresenta para a mobilidade urbana não se limita à pandemia, mas também em uma realidade após o seu controle. “Por não promover aglomerações, ao contrário do que ocorre nos transportes públicos, além de ser um modal de baixo custo e não poluente”, conclui.

Requalificação da Ciclovia da Faria Lima

A boa notícia para nós, é que a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria de Mobilidade e Transportes da Companhia de Engenharia de Tráfego, também está investindo em obras de melhorias e expansão da malha cicloviária da cidade.

No eixo principal da ciclovia da Faria Lima, as obras de nivelamento, reparo de rachaduras no piso e de sinalização seguem em várias frentes de trabalho, bem como na Avenida Hélio Pellegrino, República do Líbano, Professor Manuel José Chaves, Doutor Gastão Vidigal, Professor Fonseca Rodrigues e Pedroso de Morais. 

Infraestrutura da Ciclovia da Faria Lima

Diariamente, cerca de 6,5 mil ciclistas utilizam a ciclovia da Faria Lima e suas conexões. Trata-se da ciclofaixa mais utilizada de São Paulo. Ela possui atualmente 17,9 quilômetros de extensão, considerando o eixo principal e as conexões. Também há ciclovias e ciclofaixas cobrindo o caminho até a Avenida Luís Carlos Berrini, pela marginal do Rio Pinheiros.

A ciclovia da Faria Lima dá acesso a diversos pontos importantes e turísticos da cidade, como o Largo da Batata, o Museu da Casa Brasileira e o Instituto Tomie Ohtake. Aos domingos, a prefeitura ainda abre uma ciclofaixa extra na avenida para incentivar o espaço urbano como rota de atividades físicas e de lazer.

Não tem ou não quer usar sua própria bike?

Isso não é problema na Faria Lima. É possível alugar uma em pontos estratégicos da região e devolvê-la em outra estação próxima ao destino, por meio de aplicativos e com preços bem acessíveis. Também há empresas que locam veículos elétricos por temporada. Uma semana de bicicleta ou patinete elétrico custa em média R$ 150.

Não quer chegar suado no trabalho?

Nem isso é mais problema. Os prédios mais modernos da cidade já contam com vestiários e bicicletários para atender os usuários de bikes e patinetes. Esse é o caso do prédio onde está situado o Club Coworking Faria Lima, que oferece todo o conforto e segurança para quem adota o costume de se locomover de forma mais saudável e sustentável.

Se o seu destino na Faria Lima não tem essa vantagem, você pode optar por usar o app Sports To Go para contratar um banho expresso depois de pedalar. Isso mesmo, a empresa oferece estrutura de chuveiro, além de toalha, sabonete, shampoo, condicionador e até secador de cabelo.

Por que adotar bike como meio de transporte?

Muito se fala sobre os benefícios das bicicletas normais e elétricas como meio de transporte urbano, mas sempre vale repetir. Veja os principais:

  • Pedalar aumenta a capacidade cardiovascular, reduz os níveis de colesterol, ajuda a manter ou perder peso, aumenta o condicionamento físico e reduz os hormônios causadores de estresse. É como se fosse uma dose de saúde física e mental na veia!
  • Economia financeira, é claro. Além de custar muito menos que um carro, os gastos de manutenção são baixos. Andar de bike também é mais financeiramente vantajoso que usar  transporte público, em muitos casos, ou carros de aplicativos.
  • As cidades “bike friendly” são mais sustentáveis. O consumo de combustível é zero, portanto, a emissão de carbono também é zero.
  • O uso massivo de bicicletas como meio de transporte deixa as cidades mais leves e espaçosas, com menos barulho e engarrafamentos. Bicicletas são símbolos de saúde, mobilidade sustentável e cidades inteligentes.

O Plano Cicloviário de São Paulo

Atualmente com 639 km de ciclovias e ciclofaixas, São Paulo já é a capital brasileira com a mais extensa rede dedicada às bicicletas. O Plano Cicloviário da prefeitura contempla a implantação dos 173,5 quilômetros de novas conexões e a requalificação de 310 quilômetros dentre os 503,6 quilômetros das estruturas existentes.

A construção do plano foi feita por meio de audiências públicas e oficinas que contaram com a participação da população em todas as regiões da cidade. As estruturas cicloviárias são projetadas respeitando aspectos como conectividade, linearidade, funcionalidade, segurança, entre outros.

Venha para o Club Coworking Faria Lima

Por conta das medidas de isolamento social impostas pela Covid-19, 2020 foi um ano difícil, que exigiu adaptações nos ambientes de trabalho e levou empresas e profissionais a adotarem o sistema de home office, reduzindo escritórios e eliminando espaços ociosos. A necessidade de locais para reuniões e atendimento a clientes criou uma nova demanda para o segmento de coworking, trazendo uma projeção otimista de expansão para 2021.

Se você procura um local com excelente infraestrutura para estabelecer sua empresa ou equipe na região da Faria Lima, com fácil acesso por qualquer meio de transporte, pode contar com o Club Coworking, projetado para ajudar empresas e empreendedores a alcançarem maiores resultados com o melhor custo-benefício.

Experimente uma diária no Club Coworking grátis! Está no Itaim Bibi? Leia também: Uma experiência além do pãozinho —  cinco padarias incríveis do Itaim Bibi.

Pausa para relaxar: conheça as praças e parques da Avenida Paulista

O Parque Prefeito Mario Covas é um dos pontos de respiro na tão movimentada Avenida Paulista

O contato com a natureza é indispensável para manter a boa saúde física e mental. Conheça os melhores espaços públicos da Avenida Paulista para recarregar as energias durante a jornada de trabalho

Um estudo publicado na revista científica Nature provou o que a gente já sabe na prática: o contato direto com a natureza produz efeitos extremamente positivos no organismo e na mente. De acordo com a pesquisa, passar pelo menos 120 minutos semanais em um ambiente natural, como parque, bosque ou praia, é uma prática associada à melhor saúde e bem-estar, principalmente entre pessoas que vivem em centros urbanos. 

Não por acaso, junto às medidas de restrição e distanciamento social impostas pela Covid-19 veio uma onda de problemas de saúde mental na população. O confinamento domiciliar reduziu significativamente nosso contato com a natureza, o que pode ter contribuído para níveis mais baixos de humor e de bem-estar, gerando aumento de quadros de ansiedade e depressão.

Se você trabalha, frequenta ou pretende começar a circular pela região da Paulista, aproveite os espaços urbanos arborizados e inspiradores que temos no coração de São Paulo, facilmente acessíveis a pé, de bicicleta ou metrô partindo do Club Coworking Av. Paulista.

Veja nossas dicas de praças e parques na Avenida Paulista e adicione uma dose de natureza e arte no seu cotidiano. Além de turbinar sua saúde, você terá ganhos em produtividade, criatividade e energia.

1.  Parque Trianon

Fundado em 1892, esse parque se consolidou como um santuário ecológico da cidade de São Paulo. São 48 mil metros quadrados de vegetação típica da Mata Atlântica, árvores centenárias e pássaros de diversas espécies. Como se não bastassem as belezas naturais, há também esculturas incríveis, como o “Fauno”, de Brecheret, e a “Aretusa”, de Francisco Leopoldo Silva.

A infraestrutura do Trianon, de forma geral, é muito boa. O maior parque da Avenida Paulista tem equipamentos de ginástica, sanitários, rampa e áreas de circulação acessíveis. Aberto diariamente, de 6h às 18h, o local é digno de uma boa caminhada para produzir serotonina e relaxar. O parque está a apenas 350 m do Club Coworking Av. Paulista.

End.: Rua Peixoto Gomide, 949, Cerqueira César (próximo à estação Trianon-MASP, da linha verde do metrô).

2.  Parque Prefeito Mário Covas

Inaugurado em 2010, o segundo parque da Avenida Paulista tem 5,4 mil m² e fica na Bela Vista. Antigamente, a área era o jardim da residência Vila Fortunato, de propriedade da família Thiollier, demolida em 1972. O local possui paraciclo, aparelhos de ginástica, além de mesinhas para piquenique, excelentes para refeições rápidas em meio à natureza.

Composto por um bosque heterogêneo e uma via para caminhadas curtas, dá para meditar, oxigenar o cérebro e voltar ao trabalho cheio de boas ideias.  Aberto diariamente, das 6h às 18h, o parque está a três minutos de caminhada do Club Coworking Av. Paulista!

End.: Av. Paulista, 1853, Bela Vista (próximo à estação Consolação, da Linha Verde do metrô).

3.  Praça Amadeu Amaral

Super aconchegante e arborizada, passar um tempo nessa praça já é o suficiente para te dar um boost de energia no meio de um dia de trabalho. Está com leituras atrasadas? Nossa dica é sentar em um dos bancos para desligar um pouco a mente e conseguir alimentar o cérebro de informação, ou apenas contemplar a beleza do ambiente.  O local é uma delícia e bem cuidado e fica a pouco mais de 2 km do Club Coworking Av. Paulista.

End.: Bairro Bela Vista (próxima à estação Vergueiro, Linha Azul e Brigadeiro, Linha Verde)

4.  Praça Marechal Cordeiro de Farias

Conhecida como “Praça dos Arcos”, a Praça Marechal Cordeiro de Farias é o endereço da escultura Arcos ou Caminho, também chamada de Arco-Íris metálico, de autoria da artista plástica Lilian Amaral e do arquiteto Jorge Bassani. A 700 m do Club Coworking Av. Paulista, a praça não é um local para se passar muito tempo, mas vale a pena parar um pouco e contemplar a obra para dar um refresco na mente.

End.: Av. Paulista, 2645, Higienópolis (próximo à estação Paulista, da linha amarela do metrô).

5.  Praça Alexandre de Gusmão

Ao lado do Parque Trianon, esse cantinho é ideal para um descanso rápido. Por meio do projeto “Adote uma Praça” da prefeitura de São Paulo, o Hotel Tivoli Mofarrej financiou obras de revitalização deste espaço público, entregando à população um gramado amplo em uma área arborizada e boa infraestrutura para quem deseja sentar um pouco e desanuviar a mente. A praça fica a 10 minutinhos a pé do Club Coworking Av. Paulista.

End.: Jardim Paulista (próximo à estação Trianon-MASP, da linha verde do metrô)

Club Coworking Av. Paulista

O futuro do trabalho já chegou, e cada vez mais as empresas estão adotando os modelos de trabalho remoto e híbrido para oferecer mais comodidade e qualidade de vida aos seus colaboradores. Com o fechamento de inúmeros escritórios durante a pandemia do Covid-19, muitas empresas estão se movimentando em direção aos espaços de trabalho compartilhados para alternar o trabalho presencial e em home office.

A alta qualidade de infraestrutura somada a uma expressiva redução de custos que os coworkings proporcionam têm impulsionado essa tendência global, que colabora para um modelo de negócios mais sustentável para companhias de todos os portes.

Se você procura um local equipado e estruturado para se estabelecer na Avenida Paulista, venha nos conhecer. Reserve sua diária grátis e experiencie todos os benefícios que um coworking pode te oferecer. Estamos na região da Bela Vista, pertinho do metrô da Consolação.

Escritório próprio ou Coworking? Conheça os benefícios de um coworking para as empresas

Imagem do espaço do Club Coworking

Os ambientes de trabalho compartilhados oferecem vantagens financeiras e promovem o networking. Além disso são mais modernos, sustentáveis e instigam a criatividade

Tocar uma empresa demanda investimentos e capital de giro. Entre os custos para se manter um negócio, o espaço físico causa impacto significativo nos gastos mensais, muitas vezes maior que a folha de pagamento. Quem não tem um imóvel próprio para implantar seu QG precisa alugar um local adequado ao tamanho e tipo de operação, equipá-lo com tudo o que é necessário para funcionar e arcar com as despesas mensais.

Do provedor de internet à central telefônica, qualquer ambiente corporativo necessita de infraestrutura suficiente para o bom desempenho das tarefas nas diferentes áreas. Isso inclui instalações, máquinas e móveis necessários para cada ambiente, de bancadas coletivas a salas de reunião.

Cada estação de trabalho gera despesas fixas que vão do valor do metro quadrado à energia elétrica, conexão banda larga, manutenção de equipamentos e mobiliário, além de insumos de papelaria, material de limpeza e, até mesmo, o cafezinho. Isso sem contar a mão de obra básica para serviços gerais, limpeza, recepção e telefonia.

Nesse cenário, espaços de trabalho compartilhados surgem como alternativa para reduzir custos e facilitar a vida de quem está pensando em empreender, ou busca soluções para reduzir despesas. Se você ainda tem dúvidas entre estabelecer sua empresa em escritório próprio ou coworking, leia esse texto até o final.

Um modelo de negócio mais sustentável

A economia compartilhada é uma tendência global, alinhada com a ideia de sustentabilidade e cooperação. O conceito se expandiu para além do ambiente corporativo e hoje é normal pessoas morarem em colivings, dividirem transporte e até mesmo repartirem objetos e equipamentos. Além de economizar dinheiro, o compartilhamento resulta em menos lixo e menor uso dos recursos naturais!

Segundo dados do Coworking Brasil, o mercado brasileiro de coworking aumentou 500% de 2015 a 2019. Os números mostram que esse crescimento tem sido exponencial e 2019 registrou salto de 25% em relação ao ano anterior. A análise incluiu todos os municípios brasileiros acima de 100 mil habitantes e identificou espaços de coworking em 195 deles.

Por conta das medidas de isolamento social impostas pela Covid-19, 2020 foi um ano difícil, que exigiu adaptações nos ambientes de trabalho e levou empresas e profissionais a adotarem o sistema de home office, reduzindo escritórios e eliminando espaços ociosos. A necessidade de locais para reuniões e atendimento a clientes criou uma nova demanda para o segmento de coworking, trazendo uma projeção otimista de expansão para 2021.

Vantagens do Coworking

Trabalhar num coworking é uma escolha vantajosa. Os ambientes são planejados para suprir todas as necessidades corporativas, da sala de reunião privativa à copa. Além de reduzir despesas operacionais, o coworking oferece serviços de apoio, como central de recados, motoboy, correio, manuseio de encomendas e impressão, entre outros, que são pagos à medida que são utilizados.

Mobilidade

Especialmente nas grandes cidades, como São Paulo, o deslocamento é um gargalo para se chegar ao local de trabalho ou em reuniões externas. Várias empresas já perceberam que colaboradores que gastam menos tempo no trânsito são mais produtivos, na medida em que ganham mais tempo e reduzem o estresse.

Por conta desse e de outros fatores, muitas já decidiram, entre escritório próprio ou coworking, investir no modelo de trabalho remoto ou híbrido, instalando executivos em espaços compartilhados mais próximos de suas residências, com boa resposta em produtividade.

Club Coworking no coração financeiro de São Paulo

Se você procura um local equipado e estruturado para se estabelecer na na Avenida Paulista e na região da Avenida Brigadeiro Faria Lima, com fácil acesso por qualquer meio de transporte, pode contar com o Club Coworking, projetado para ajudar empresas e empreendedores a alcançarem maiores resultados com o melhor custo-benefício.

Os dois endereços do Club Coworking estão nos principais centros financeiros de São Paulo, em áreas repletas de opções de compras, gastronomia e entretenimento para o antes e o depois do trabalho, ou, quem sabe, aquela escapada para um respiro.  Venha nos conhecer e saiba como podemos apoiar seu negócio!

Como a infraestrutura e o design do ambiente de trabalho afetam a produtividade

Homem jovem trabalhando feliz na frente do computador | Club Coworking

Ergonomia, infraestrutura adequada e decoração: saiba como esses três fatores ajudam no bom desempenho profissional e empresarial

Seja no home office ou na empresa, são inúmeros os fatores que podem afetar sua produtividade sem que você ao menos perceba. O ambiente de trabalho, em si,  é um deles, por isso é importante entender quais são os detalhes que realmente fazem a diferença.

Claro que a qualidade dos relacionamentos interpessoais e o clima organizacional da sua empresa são imprescindíveis para o bom desempenho dos times, mas, tão importante quanto, são os fatores físicos e concretos, como mobiliário, decoração e qualidade dos recursos tecnológicos. Acredite, um ambiente de trabalho humanizado e confortável tem o poder de motivar e engajar as pessoas, além de destravar a criatividade.

Veja nossas dicas para você montar seu home office, escritório ou contratar um espaço de coworking que ofereça a qualidade de vida no trabalho necessária para melhores índices de eficiência da sua equipe.

Ergonomia: a saúde do trabalhador em primeiro lugar 

Disponibilizar móveis ergonômicos para os trabalhadores é mais do que uma boa prática das empresas, é uma norma técnica do Ministério do Trabalho. A NR-17 foi criada para “estabelecer as diretrizes e os requisitos que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança, saúde e desempenho eficiente”.

Veja as principais recomendações da norma para quem trabalha em escritório: 

Mobiliário

A Lesão por Esforço Repetitivo (LER) e o Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho (DORT) são dois dos maiores perigos ao negligenciar as normas de ergonomia. No caso de escritórios, especificamente, é fundamental disponibilizar mesas e cadeiras confortáveis e ajustáveis à altura do profissional, de forma a protegê-lo contra dores na coluna e outros danos ortopédicos. Um apoio de pés pode ser um excelente recurso para ajudar na postura ereta e na boa circulação sanguínea.

Iluminação

O conforto visual também é muito importante para um bom match entre produtividade e qualidade de vida. O ideal é investir em um sistema de iluminação que contenha entre 300 e 500 lúmens e que mantenha a luminosidade uniformemente distribuída e difusa. O melhor posicionamento das lâmpadas é por cima das mesas. Luzes muito brilhantes devem estar fora do nosso campo visual para evitar o ofuscamento.

Climatização

De acordo com estudos que fundamentaram a NR-17, nos locais de trabalho onde são executadas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constantes é recomendado que o índice de temperatura efetiva seja entre 20°C  e 23°C, a velocidade do ar não superior a 0,75m/ e a umidade relativa do ar não inferior a 40%.

Infraestrutura tecnológica

Com as relações de trabalho cada vez mais digitalizadas, um bom equipamento de informática associado a uma estrutura de internet de alta velocidade é o mínimo que um profissional precisa para desempenhar suas tarefas sem morosidade e interrupções.

Conexões falhas e computadores lentos são fatores de estresse e que podem comprometer os prazos das entregas. Tecnologia é artigo de primeira necessidade, não hesite em investir em melhorias.

Decoração: beleza também é importante!

Empresas modernas e inovadoras sabem que um ambiente de trabalho decorado com bom gosto é muito mais acolhedor e motivador. As agências de publicidade, por exemplo, sempre apostaram em ambientes mais descolados. Não é à toa. Usar cores de uma forma equilibrada e decorar com objetos e imagens inspiradoras ativam a criatividade dos profissionais e deixa o local de trabalho mais leve e divertido.

Certamente há segmentos do mercado que pedem um ambiente mais sóbrio e menos colorido, mas isso não quer dizer que dispensam um bom planejamento de design de ambientes. Afinal, a apresentação do  escritório faz parte de uma boa estratégia de branding , pois transmite aos clientes qualidade e credibilidade.

Home office e qualidade de vida

Ao lado das incríveis vantagens de se trabalhar em casa, alguns fatores são extremamente negativos para quem opera no home office. O problema é que nem sempre é possível dispor no ambiente doméstico dos recursos ergonômicos, climáticos e de outros detalhes que ajudam na produtividade e na qualidade de vida laboral.

Em tempos de pandemia do Covid-19, muitos trabalhadores impactaram sua saúde mental pela dificuldade de separar tarefas e problemas domésticos dos profissionais, além de desenvolverem problemas ortopédicos por causa da falta de uma infraestrutura ergonômica adequada.

Outro grande impasse é a ausência de momentos de socialização entre as pessoas, como aquela pausa para o cafezinho acompanhada de uma boa jogada de conversa fora, que tanto ajuda a desopilar, relaxar e a recuperar o foco no trabalho.

Neste contexto, cada vez mais empresas e profissionais independentes estão buscando espaços de coworking para migrarem do home office novamente para trabalho presencial, ou ainda para adotar um modelo híbrido, que varia a rotina do trabalho remoto com o presencial. 

As vantagens são excelentes, pois um coworking pode oferecer todos esses recursos citados acima com um custo-benefício excepcional. 

As unidades do Club Coworking Paulista e Faria Lima, por exemplo, foram construídas sob o comando de uma equipe de arquitetos e designers focados na missão de promover bem estar para os clientes, de forma a colaborar com o crescimento de negócios e com a credibilidade de empresas e startups. Venha experimentar um dia de trabalho nas nossas instalações de forma totalmente gratuita. Será uma alegria ter você ou sua empresa na nossa comunidade de profissionais felizes e produtivos.

Presencial e virtual: como criar conexões verdadeiras no modelo de trabalho híbrido

Mulher trabalhando na frente do computador em trabalho híbrido em espaço coworking | Club Coworking

O modelo de trabalho híbrido é aquele que dá ao profissional a autonomia de optar pelo modelo de trabalho que melhor se adaptar às suas atividades, revezando entre home office, coworking e escritório. Esse modelo, no entanto, apresenta alguns desafios.

Se a mudança é a única constante na vida, seria a capacidade de adaptação uma das principais virtudes humanas? Apostamos que sim. Sobretudo no âmbito empresarial, no qual a inovação caminha a passos largos, como nunca antes na história da humanidade.

Acompanhamos no decorrer de 2020 muitas discussões acerca do tal do novo normal. Há quem diga que essa conversa é balela, que o ser humano não muda tão rápido assim. Será que não?

Bem, se algumas transformações sociais já estavam em curso por causa dos avanços tecnológicos, é inegável que os últimos meses foram marcados por uma grande aceleração de tendências, como a adaptação das empresas aos modelos de trabalho remoto e híbrido, seja em home office ou espaços de coworking.

Agora que já vislumbramos no horizonte a saída da pandemia, mesmo que ainda sem data certa, podemos refletir com um pouco mais de embasamento quais mudanças vieram mesmo para ficar. Foi exatamente o que fez o ICRH – Índice de Confiança Robert Half®, estudo que revela as perspectivas de contratação e expectativas atuais do mercado de trabalho e para os próximos seis meses.

De acordo com dados da pesquisa recém saída do forno, o percentual de profissionais qualificados que acreditam que o futuro do trabalho será de modelo híbrido, alternando home office, coworkings ou escritórios tradicionais, é de nada mais, nada menos que 91%.

Diante deste número tão expressivo, não dá pra negar que o futuro do trabalho já é uma realidade. E como toda mudança requer adaptações, o Club Coworking vai ajudar sua empresas a criar conexões verdadeiras e construir networking neste novo modelo de trabalho híbrido.

Afinal, os formatos das relações podem até mudar, mas a interdependência é uma característica inerente e fundamental ao ser humano, e ninguém ainda conseguiu derrubar a afirmação de Aristóteles de que somos seres políticos, sociais e coletivos.

Vamos às dicas!

1. Contato não é sinônimo de relacionamento

Conhecer e se comunicar com pessoas não significa necessariamente construir relacionamentos. Se essa regra vale no âmbito de negócios, na perspectiva do marketing para fidelização de clientes, também serve nas relações profissionais com membros da mesma empresa, da mesma área ou setor de atuação. Pense nas redes sociais. Você ou sua empresa podem ter mais de mil amigos ou seguidores, mas quantos, de fato, se relacionam com suas postagens?

Para criar conexões verdadeiras com as pessoas, seja por telas ou frente a frente, é preciso desenvolver empatia, explorar afinidades, dialogar e sorrir pelos mesmos motivos. Isso depende da sua capacidade de se interessar realmente pelo próximo. Se você deseja cultivar um bom networking para sua empresa, sua atitude de comunicação interpessoal importa muito mais que o meio (físico ou virtual) onde essa interlocução acontece.

2. Coloque a cara na tela  

Você já deve ter ouvido falar mil vezes da importância do hábito de se arrumar para o home office, do quanto isso nos ajuda a mudar a chavinha interna do modo pijama para o modo corporativo. Com o distanciamento social, a comunicação por telas passou a ser imperativa, mas tem gente que ainda foge das câmeras e liga apenas o microfone. Péssima escolha. Deixe que seus interlocutores vejam os seus olhos, suas expressões faciais, seu sorriso. Sua cara é o cartão de visitas da sua empresa. Não precisa ficar com a câmera ligada o tempo todo, mas sempre que for sua vez falar é importante mostrar o rosto.

A propósito, não é porque você está distanciado por telas nas suas relações de trabalho que é uma boa ideia usar essa condição para dissimular qualidades que você não possui. Agir com naturalidade e verdade é a principal forma de conquistar a simpatia e a confiança das pessoas.

3. Esse e-mail pode ser uma reunião?

Se em um passado recente essa questão surgia de forma inversa, na intenção de pouparmos tempo evitando reuniões desnecessárias, parece que agora o jogo virou. Depois de tanto tempo de restrições sociais, encontros presenciais com sua equipe podem ajudar a reavivar ânimos, proporcionar motivação, ativar a criatividade coletiva e até mesmo gerar alegria. Esse é um dos principais motivos pelos quais o modelo híbrido de trabalho vem se consolidando como uma realidade permanente.

Nada como o equilíbrio, não é mesmo? Se a sua empresa está trabalhando de forma remota, sugerimos a adoção de uma frequência de encontros presenciais, com responsabilidade em relação aos protocolos sanitários sempre, é claro.

4. Aposte em um espaço de coworking para o trabalho híbrido

Com as restrições do isolamento, muitas empresas reduziram custos migrando seus escritórios para espaços de coworking, como mostrou uma reportagem da TV Record com a participação da nossa diretora de Operações e Novos Negócios, Patrícia Coelho. A solução tem sido adotada por empresas de todos os portes, até multinacionais. A japonesa HIS Travel, por exemplo, contabilizou uma economia de 52% nos seus custos fixos em São Paulo ao contratar um espaço para seus funcionários no Club Coworking.

Além da redução de custos, o campo para o netwoking é extremamente rico em um espaço de trabalho compartilhado com outras empresas, tanto para profissionais como para empresas.

Aproveite este momento para se adaptar com agilidade às novas formas de trabalho. Se você está em São Paulo ou pretende expandir seus negócios para a capital financeira do País, agende um dia de trabalho gratuito na unidade Club Coworking da Paulista ou da Faria Lima.

Em qualquer uma delas, além de experienciar uma infraestrutura de altíssima qualidade, você poderá dar uma volta nos corredores, bater um papo com pessoas de diversas áreas de conhecimento e tomar um café ou um bom chopp enquanto cria conexões promissoras. Aliás, o fortalecimento das relações interpessoais em prol dos bons negócios é uma das nossas principais especialidades. Esperamos você!

Como ir da Avenida Paulista aos principais aeroportos de São Paulo

Trecho do mapa do metrô de São Paulo - Aeroporto mais próximo da Paulista | Club Coworking

Três grandes aeroportos atendem à demanda por voos comerciais em São Paulo. Saiba como chegar de Congonhas, Guarulhos ou Viracopos à Avenida Paulista e adjacências

Congonhas, Guarulhos (ou Cumbica) e Viracopos são os principais aeroportos que servem a cidade de São Paulo. Dos três, Guarulhos e Viracopos realizam voos comerciais para o exterior, enquanto Congonhas é dedicado somente a voos domésticos, dentro do território nacional.

Nesse artigo, tomamos como base a movimentada e pulsante região da Avenida Paulista para orientar tanto quem chega como quem sai do centro de São Paulo utilizando meios de transporte púbico ou particular.

Veja também: 6 dicas imperdíveis de restaurantes na região da Av Paulista

Como ir da Avenida Paulista ao Aeroporto de Congonhas

Único aeroporto construído dentro do perímetro urbano da cidade, o terminal aéreo de Congonhas foi inaugurado em 1932 e é o segundo mais movimentado do Brasil, com um fluxo de 6.500 passageiros por hora.

Localizado na Zona Sul da cidade, Congonhas é o aeroporto mais próximo da Avenida Paulista (10,5 km) com fácil acesso a regiões como a do Parque do Ibirapuera, Jardim Zoológico, Avenida Berrini, Itaim Bibi, Avenida Paulista e Jardins. Apesar da localização privilegiada, as passagens para esse aeroporto geralmente são mais caras do que para os outros terminais.

Ainda não existe uma estação de metrô na região — a mais próxima é a São Judas (linha Azul), a cerca de 3 quilômetros de Congonhas —, cenário que deve mudar com a entrega da nova Linha 17 – ouro. Existem, no entanto, muitas opções de transporte público, executivo e por aplicativos, além de pontos de táxi na saída das áreas de desembarque.

O trajeto de Congonhas à Avenida Paulista tem cerca de 20 minutos. O caminho passa pelo Parque do Ibirapuera e oferece várias perpendiculares que sobem até o topo do espigão, de acordo com a altura do destino final.

Quem opta pelo transporte público conta com linhas de ônibus nas imediações do terminal, que levam às estações da linha azul do metrô, em intervalos que variam de 30 a 45 minutos. Daí, é seguir para as estações Ana Rosa ou Paraíso, onde é possível fazer a conexão para as paradas Brigadeiro, Trianon/MASP e Consolação da linha Verde — ou linha Paulista, como também é conhecida.

Aeroporto de Congonhas
Avenida Washington Luís, s/nº, Vila Congonhas
Funcionamento: das 5h (os primeiros voos decolam às 6h) às 23h

Como ir da Avenida Paulista ao Aeroporto Internacional de Guarulhos (Cumbica):

Distante a 25 km do centro de São Paulo, o Aeroporto Internacional de Guarulhos, também conhecido como Cumbica, é o maior e mais movimentado do Brasil. Com um fluxo de 40 milhões de passageiros por ano, é também o segundo mais movimentado da América Latina, perdendo somente para o aeroporto internacional da Cidade do México. Ao todo, são 362 pontos de check-in e 77 portões de embarque distribuídos em uma área de 14 km².

O terminal aéreo é mais próximo das regiões Norte e Leste de São Paulo, mas, apesar da distância, chegar à Avenida Paulista, na zona Sul, não é complicado. Isso porque várias linhas de ônibus da EMTU ligam Guarulhos a pontos estratégicos da capital paulista.

Também é possível chegar à avenida por meio da estação de metrô Aeroporto – Guarulhos, inaugurada recentemente nas imediações do terminal. A linha funciona de domingo à sexta-feira, das 4h à 0h, e aos sábados, das 4h à 1h. A partir dela, é necessário fazer a conexão gratuitamente entre quatro linhas, em um percurso de cerca de uma hora. O trajeto é composto pela sequência de conexões entre a Linha 13 – Jade; Linha 12 – Safira; Linha 11 – Coral; e linha 4 – Amarela, com destino na estação Paulista.

Veja também: Conheça as estações de metrô que dão acesso à Avenida Paulista

Já para quem pode gastar um pouco mais, os serviços de transporte por aplicativo custam em torno de R$ 40 até a Avenida Paulista. E há, ainda, o serviço Airport Bus Service, do Governo de São Paulo, que oferece ônibus executivos que cobrem diferentes destinos em São Paulo. Ao longo do dia, há 16 horários de saída do terminal com intervalos médios inferiores a 30 minutos. Nessa alternativa, é aceito o pagamento em cartão de crédito.

E não se preocupe se você desembarcar em uma plataforma distante de alguma das modalidades de transporte sugeridas neste post: o terminal aéreo de Guarulhos disponibiliza traslado entre os pavilhões 1,2 e 3. Os ônibus possuem identificação do aeroporto e fazem paradas nas áreas de desembarque a cada 15 minutos, em média.

Aeroporto de Guarulhos
Rodovia Hélio Smidt, s/nº – Cumbica, Guarulhos
Funcionamento: diariamente, 24 horas

Como ir da Avenida Paulista ao Aeroporto Internacional de Campinas /Viracopos

No Aeroporto Internacional de Viracopos, apenas as companhias Azul, Gol e LATAM operam para o transporte de passageiros. Anualmente, mais de 10 milhões de turistas passam pelo local, situado a 17 quilômetros do centro do município de Campinas e a 95 quilômetros da região central de São Paulo.

Viracopos é o principal centro de operações da Azul Linhas Aéreas. Por isso, a companhia fornece aos clientes uma linha de ônibus gratuita que sai do terminal aéreo para quatro opções de destino: Congonhas, Shoppings Eldorado e Tamboré e Terminal do Metrô Barra Funda.

Caso escolha o último destino, é fácil chegar à Paulista utilizando o metrô. Basta seguir na Linha Vermelha em direção à estação República e realizar a conexão com a Linha Amarela em direção à estação Paulista. O percurso da Barra Funda à Paulista demora cerca de 20 minutos.

Já para clientes de outras empresas a melhor alternativa é utilizar o ônibus intermunicipal que sai de hora em hora de Viracopos para o Terminal Rodoviário do Tietê, anexo à estação homônima da Linha Azul do metrô. Também é possível ir para a rodoviária de Campinas, de onde também partem coletivos para os terminais rodoviários da Barra Funda e do Jabaquara, na capital paulista.

Aeroporto Viracopos
Rodovia Santos Dumont, km 66 – Parque Viracopos, Campinas
Funcionamento Todos os dias, 24 horas

Como ir da Avenida Paulista ao Aeroporto Internacional de São José dos Campos

Também vale mencionar a discreta operação comercial do aeroporto internacional de São José dos Campos. Em 2018, a Azul passou a mandar voos de Belo Horizonte (MG) e do Rio de Janeiro (RJ) para o local, onde está concentrada sobretudo a atividade de transporte de carga. Em fevereiro de 2020, contudo, a empresa aérea decidiu cancelar as rotas para o Rio de Janeiro, mantendo apenas viagens para a capital mineira.

Se essa for a sua opção de viagem, a alternativa para chegar à Avenida Paulista é o transporte rodoviário até o terminal do Tietê e, de lá, seguir de metrô (Linha Azul e Linha Verde) ou solicitar um carro por aplicativo.

Aeroporto Internacional de São José dos Campos
R. Dra. Tânia Lis Tizzoni Nogueira, S/N – Parque Martin Cerere, São José dos Campos – SP
Funcionamento: diariamente, das 8h às 17h

Club Coworking no centro de tudo!

Não importa qual seu ponto de desembarque, não é difícil chegar ao Club Coworking da Avenida Paulista! Estamos próximos às estações Paulista e Consolação do metrô, com fácil acesso a todos os pontos da cidade! Além de praticidade, aqui você vai encontrar o espaço perfeito para seu evento ou reunião, em um ambiente sofisticado e com infraestrutura de altíssima qualidade.

Venha conhecer!

Uma experiência além do pãozinho: cinco padarias incríveis do Itaim Bibi

Detalhe de mão feminina servindo-se em uma padaria | Club Coworking - Padaria no Itaim Bibi

Selecionamos cinco locais nas imediações da Faria Lima para quem busca desde um bom café da manhã até refeições mais elaboradas. Há diferentes opções de cardápio para levar ou comer na hora.

Na década de 1920, Arnaldo Couto de Magalhães resolveu lotear a chácara da família, localizada na Zona Oeste paulistana, numa época em que as ruas do entorno não eram pavimentadas e ainda se pescava no Rio Pinheiros. Inicialmente, as terras foram ocupadas por italianos vindos da Bela Vista/Bixiga, que passaram a produzir verduras e legumes em pequenos sítios de um hectare.

Entre as décadas de 1920 e 1950, especialmente após o fim da Segunda Guerra Mundial no início dos anos 40, as terras foram sendo repartidas em lotes menores e revendidas diversas vezes, favorecendo a ocupação da área por barqueiros, olarias e portos de areia. Esse foi o primeiro passo para o surgimento do bairro do Itaim Bibi, batizado como o mesmo nome da propriedade que o originou.

Para diferenciar a região do homônimo Itaim Paulista, na Zona Leste de São Paulo, os moradores se referiam ao local como “do Bibi”, como era conhecido Leopoldo Couto de Magalhães Junior, pai de Arnaldo e último herdeiro a habitar o terreno antes dele ser dividido. Com o tempo, o apelido do aristocrata foi incorporado ao nome do distrito, que integra outros bairros importantes como a Vila Olímpia.

Uma das curiosidades da região, que começa nos cruzamentos das avenidas Faria Lima e Juscelino Kubitschek — local exato da unidade Faria Lima do Club Coworking — e vai até a região do Ibirapuera, é que, no início, as ruas tinham nomes de mulheres como Silvia, Helena e Amélia. Com a expansão do bairro, as avenidas asfaltadas tomaram o lugar das ruas estreitas e transformaram a paisagem da região, atraindo grandes empresas interessadas em logradouros próximos à avenida Brigadeiro Faria Lima.

Leia também: Como chegar à Faria Lima

Quem mora ou trabalha no Itaim Bibi está perto de tudo. Hoje, o cenário corporativo divide espaço com os prédios residenciais de alto padrão, que começam a ser construídos com a ascensão do bairro. De área de várzea, o bairro se transformou num dos metros quadrados mais caros da capital paulista. E não poderiam faltar as padarias no Itaim Bibi, que abastecem a população local e itinerante.

Escolhemos cinco, entre as dezenas de alternativas, para quem quer comprar um pão quentinho, tomar café no balcão ou procura uma refeição completa.

Mr Baker

Na esquina das ruas Pedroso Alvarenga e Bandeira Paulista, o espaço rústico, todo revestido em madeira, em pouco lembra uma padaria, mas desde 2012 saem do forno da Mr Baker pães artesanais de grãos e sementes, além de clássicos como o pão português. O cardápio, desenvolvido pelo chef Henrique Vaz, prioriza insumos orgânicos e inclui sanduíches, salgados, pizzas e foccacias — destaque para a versão de alho poró — que podem ser degustados nas mesas ou no balcão.

São três filiais em São Paulo. A padaria do Itaim Bibi foi eleita várias vezes a melhor padaria da Cidade, pelo Guia Comer & Beber, da Veja São Paulo. A casa ainda oferece “mimos” como a água aromatizada com abacaxi, limão siciliano, gengibre e hortelã.

Mr Baker
Rua Pedroso Alvarenga Nº 655, Itaim-Bibi, São Paulo/SP
Funcionamento:
Segunda a Sábado das 7h às 23h
Domingo das 8h às 22h

Padaria Bienal                                                                                    

Uma das mais antigas e tradicionais padarias do Itaim Bibi, a Bienal tem mais de cinco décadas — surgiu nos primórdios da região- e recebeu o nome em homenagem ao “vizinho” Parque do Ibirapuera. No ambiente simples, com cara de padaria de bairro, são servidos matinais e lanches populares, no balcão e em mesas na calçada.

De manhã, vale provar a dupla paulistaníssima “pão na chapa e média de café com leite”. Para o almoço, há opções de saladas, porções e pratos rápidos.

Padaria Bienal
Rua Pedroso Alvarenga, 436
Funcionamento:
De segunda a domingo, das 6 às 22h.

Boston Bakery

Na divisa do Itaim Bibi com a Vila Nova Conceição, a Boston Bakery funciona 24 horas num espaço amplo que inclui um forno de pizza à lenha. Com decoração estilo industrial e lustres metálicos, o local oferece um menu variado que vai de churrasco, petiscos e hambúrgueres especiais a massas, doces e sorvetes artesanais, além de buffet no café da manhã e almoço.

A casa produz diversos tipos de pães, inclusive integrais, que ficam expostos em vitrines nos balcões e na ilha central. As fornadas constantes garantem um pão francês sempre quentinho e crocante.

Boston Bakery
Rua Clodomiro Amazonas, 816
Funcionamento:
Sempre aberto

Le Pain Quotidien

Le Pain Quotidien significa o pão de cada dia e também é o nome de uma rede de boulangeries fundada na Bélgica em 1990. A marca chegou a São Paulo em 2012 e hoje mantém quatro lojas na cidade. É mais um empreendimento que aplica o conceito de utilizar produtos frescos, preferencialmente orgânicos, e ingredientes não processados.

A arquitetura é a mesma em todos os países, com mesas coletivas estimulando a interação dos frequentadores. Mas a identidade global não impede que os franqueados possam adaptar o cardápio à cultura local, sem comprometer a original da marca. Na padaria do Itaim Bibi, dentro do Shopping JK, por exemplo, podem ser degustados pão de queijo, açaí e saladas com temperos tipicamente brasileiros.

Le Pain Quotidien
JK Iguatemi, Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041
Funcionamento:
Diariamente das 11h às 21h

Savour Boulangerie

Descontraída, mas com um toque de requinte. É assim que podemos descrever a Savour Boulangerie, um lugar charmoso no coração do Itaim Bibi onde se servem pães artesanais, bolos, tortas, chás e outras delícias com toques gourmet inspirados na culinária da França.

O local também aposta na sustentabilidade e no uso de insumos sem fertilizantes e agrotóxicos para a criação de receitas que fazem sucesso entre os clientes. Entre as mais pedidas, estão as omeletes preparadas com ovos orgânicos, acompanhadas de suco natural e baguete 100% integral.

Savour Boulangerie
Av. Horácio Lafer, 523
Funcionamento:
Segunda a sexta das 7h às 19h
Sábado das 8h às 16h

Leia também: Cafés na Paulista: 6 excelentes opções para você conhecer

Conheça o Club Coworking Faria Lima

A região do Itaim Bibi abriga uma população diversificada, cheia de vida e despretensiosamente sofisticada. Endereço de empresas de tecnologia, startups, bancos e grandes multinacionais, o bairro foi escolhido pelo Club Coworking para atender profissionais, empresários e executivos que buscam um espaço equipado e aconchegante para trabalhar, fazer networking e realizar negócios.

Venha nos conhecer e aproveite para conferir nossas dicas!

Todos os caminhos levam à Faria Lima: veja como chegar à avenida

Como chegar à Faria Lima: ciclistas pedalam na ciclovia da avenida próxima à avenida JK | Club Coworking (Foto de Rachel Schein)

De carro, bicicleta ou coletivos, é fácil chegar em qualquer ponto da Faria Lima. A oferta de transporte, público e particular, é ampla. A região fica a poucos minutos do centro expandido de São Paulo e tem saída para todas as regiões da cidade.

Com 4,6 quilômetros de extensão, a Avenida Brigadeiro Faria Lima começa em Pinheiros, atravessa o Jardim Paulistano e termina no Itaim Bibi, poucos quarteirões depois da unidade do Club Coworking da Faria Lima. Em menos de cinquenta anos, a via se tornou um importante centro corporativo e financeiro de São Paulo. 

Inaugurada em 1970, a área simboliza a modernidade e é endereço disputado por empresas dos mais diversos setores.

Ao longo da avenida, os cenários mudam, de acordo com o lifestyle dos bairros por onde passa.

Ela começa com um perfil mais popular, no entorno do Largo da Batata — ponto de conexão para trabalhadores rumo ao centro e aos bairros da cidade — e a cada quarteirão vai crescendo em sofisticação até as imediações da Juscelino Kubitscheck, onde executivos engravatados convivem em harmonia com expoentes da geração Z, tatuados e de tênis.

Na parte estendida, ao lado do Itaim Bibi, prédios inteligentes abrigam multinacionais, empresas de tecnologia e startups. A região, que concentra cerca de 1% do PIB brasileiro, é comparada ao Vale do Silício, nos EUA, onde estão as maiores empresas de e-TICs do mundo. Aliás, é nessa área estratégica que se localiza também uma das unidades do Club Coworking.

Chegar a qualquer ponto da Faria Lima não é um desafio, a menos que você esteja de carro no horário do rush, com disposição para enfrentar tráfego lento e intenso.

Uma alternativa mais saudável — e sustentável — é atravessar as calçadas largas e ciclovias da avenida a pé ou de bicicleta. Além disso, a região é bem abastecida de transporte público (ônibus, trem e metrô) com conexões para todos os cantos da cidade.

Veja todas as opções!

Como chegar de ônibus à Faria Lima

Mais de 80 linhas de ônibus, partindo de todas as regiões de São Paulo e de municípios vizinhos, como Barueri e Osasco, passam pela Faria Lima e imediações, sendo que 48 delas percorrem toda a extensão da avenida.

Com o propósito de estimular a circulação do transporte coletivo em São Paulo, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e a São Paulo Transporte (SPTrans) implementaram a Operação Dá Licença Para o Ônibus, cujo objetivo é reduzir os tempos de viagens com maior eficiência, conforto e segurança para os usuários do transporte público.

Na avenida Brigadeiro Faria Lima, a faixa exclusiva à direita dá prioridade para ônibus de segunda à sexta-feira, entre 6 e 20 horas, e aos sábados, das 6 às 14 horas. 

Veja as opções de metrô

Se você quer saber como chegar na Faria Lima de metrô, a estação fica no final da Rua Teodoro Sampaio, ao lado do Largo da Batata. Ela faz parte da Linha 4 Amarela, que vai da estação da Luz ao Morumbi, passando pelo terminal Pinheiros — interligado à linha 9 Esmeralda da CPTM —, que une a Zona Oeste ao extremo sul de São Paulo, e de onde partem ônibus para todas as regiões da Cidade.

Confira o tempo médio para se chegar à Faria Lima a partir de algumas estações finais de Metrô:

  • Jabaquara (Zona Sul) – Linha Azul – 63 min
  • Santana (Zona Norte) – Linha Azul – 44 min
  • Sé (Zona Central) – Linha Azul – 37 min
  • Barra Funda (Zona Oeste) – Linha Vermelha – 51 min
  • Vila Madalena (Zona Oeste) – Linha Verde – 28 min
  • São Paulo Morumbi (Zona Sul) – Linha Amarela – 10 min

Veja também: como chegar de metrô na Avenida Paulista

CPTM também é uma opção

A Linha 9 – Esmeralda é a alternativa para se chegar de trem a diferentes alturas da Faria Lima. Duas estações, Cidade Jardim e Vila Olímpia, servem a região do Itaim Bibi. Já a parada Hebraica-Rebouças tem saída na avenida das Nações Unidas, a poucos quarteirões do cruzamento entre as avenidas Rebouças e Brigadeiro Faria Lima.

Além da conexão com a linha 4 Amarela, a Linha 9 da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) se liga, pela estação Santo Amaro, à linha 5 Lilás do Metrô, cujo itinerário percorre da Chácara Klabin, área nobre da Vila Mariana, ao Capão Redondo, na periferia da Zona Sul.

Para quem costuma andar de bicicleta

Não ter bicicleta não é problema para pedalar na Faria Lima. É possível alugar uma em pontos estratégicos e devolvê-la em outra estação próxima ao destino por meio de aplicativos e com preços acessíveis. Também há empresas que locam veículos elétricos por temporada. Uma semana de bicicleta ou patinete custa em média R$ 150.

A ciclovia da Faria Lima conta com 17,9 quilômetros de extensão, considerando o eixo principal e as conexões. Em 2019, a prefeitura de São Paulo anunciou a revitalização do trajeto, que ganhou recuperação do piso e nova sinalização. Também há ciclovias e ciclofaixas cobrindo o caminho até a Avenida Luís Carlos Berrini, pela marginal do Rio Pinheiros.

Táxi e transporte por aplicativo

Há pontos de táxi em quase todas as transversais da Faria Lima, nos dois sentidos, mas, dependendo do horário, não é fácil encontrar um carro livre na rua. A opção são os aplicativos que oferecem corridas em carros particulares e de praça. Como a oferta é ampla, vale ter mais de um instalado para cotar o valor e o tempo de espera, sobretudo nos períodos de maior fluxo, como início da manhã e final de tarde, quando o preço é randômico (de acordo com a demanda).

Club Coworking perto de tudo

Entre as vantagens de escolher o Club Coworking da Faria Lima como local para trabalhar em São Paulo estão a mobilidade urbana e o fácil acesso.

Localizado  num dos principais centros de negócios do país, o espaço oferece toda infraestrutura necessária para profissionais e executivos, num ambiente dinâmico e inspirador, distante 15 minutos a pé da estação Vila Olímpia da CPTM, ou 10 minutos de bicicleta da estação Faria Lima do Metrô.

O melhor é que você não precisa ir muito longe para comer ou comprar, porque a região é repleta de restaurantes, cafés, padarias e lanchonetes, além de lojas de todo tipo na rua e em shopping centers. Basta uma pequena caminhada para chegar ao Shopping JK Iguatemi (10 min) e Shopping Iguatemi (20 min), dois dos mais bem frequentados da cidade.

Vale a pena uma visita!

Na Paulista de metrô: as estações que dão acesso ao corredor de negócios e entretenimento no coração de São Paulo

Vista aérea da Praça do Ciclista, próxima às estações de metrô Consolação e Paulista | Club Coworking

Diariamente, milhões de pessoas acessam as estações que cobrem os quase três quilômetros de extensão da Avenida Paulista sem prestar atenção na arquitetura, que faz do metrô paulistano um dos mais premiados do mundo, e nas obras de arte de grandes artistas, acessíveis a todos os usuários. Que tal olhar esse cenário com outros olhos?

O metrô de São Paulo é reconhecido como um dos melhores e maiores do mundo. A malha metroviária possui seis linhas, totalizando 84 estações e quase 100 quilômetros de extensão. A rede está integrada à Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), interligando todas as regiões da cidade com uma tarifa única e sem perda de tempo no trânsito. Esse alcance, até mesmo a regiões mais remotas da maior cidade brasileira, ainda deve ser ampliado com as obras de extensão que estão em andamento e serão entregues nos próximos dois anos.

Leia também: Da Paulista ao Aeroporto: como chegar nos principais terminais aéreos

Um pouco da história do Metrô

A identidade visual do metrô paulistano foi desenvolvida pelos arquitetos e professores da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) João Carlos Cauduro e Ludovico Martino, em 1967. O projeto padronizou visualmente as primeiras linhas inauguradas na década de 1970 e até hoje norteia a aparência da marca, das estações e das sinalizações para os usuários.

Projetos sociais e culturais

É claro que, ao longo de quase cinquenta anos, houve modernizações nos trens, nos serviços e nas instalações. Além disso, mesmo seguindo um padrão visual homogêneo, cada estação tem suas particularidades, seja de espaço físico, seja de intervenções.

Com uma frequência diária de mais de 5 milhões de passageiros, o metrô abriga ações sociais, como as campanhas de vacinação e do agasalho, e ações destinadas ao lazer dos usuários como a Linha da Cultura, que promove shows, exposições e diversas outras intervenções artísticas nas estações. O projeto inclui ainda painéis com poemas de escritores consagrados expostos nos acessos às plataformas.

A linha Verde e as estações da Avenida Paulista

Em operação desde 1991, a Linha 2 – Verde do Metrô une as estações Vila Madalena (zona Oeste) e Vila Prudente (zona Leste) e deve, no futuro, chegar ao município de Guarulhos. Uma curiosidade é que, apesar do nome, a Linha Verde foi a terceira a ser construída — a segunda foi a linha Vermelha.

A Linha 2 – Verde também é chamada de Linha da Paulista justamente por percorrer toda extensão da avenida. Nesse trecho em específico há três estações separadas, em média, por 1 km umas das outras.  Essa disposição facilita o acesso a um importante centro comercial da cidade, composto também por consulados, escolas, hospitais e por um vasto corredor cultural, que inclui cinemas, galerias de arte, casas de cultura, auditórios e museus.

Leia também: Conheça ótimas opções de restaurantes na Avenida Paulista

Estação Consolação

Inaugurada há quase 20 anos, Estação Consolação, primeira das estações de metrô da Avenida Paulista tem saídas ao lado da Rua Augusta e em frente ao Conjunto Nacional. Ela recebeu este nome em referência à avenida vizinha, que era o principal ponto de referência.

Para não haver confusão entre os usuários, optou-se por manter a nomenclatura com a abertura de uma estação da Linha 4 – Amarela, na Rua da Consolação, que, seguindo o mesmo critério de referência geográfica, passou a se chamar Paulista. As duas são interligadas no subterrâneo por um corredor de cerca de 80 metros de comprimento.

A estação Consolação é a única da rede a ter uma loja exclusiva do Metrô, onde é possível comprar diversos tipos de souvenires, como chinelos com o mapa das linhas, camisetas estampadas com placas das estações, pins com o símbolo da companhia e outros produtos personalizados da marca.

Mas o grande destaque são os painéis da artista plástica Tomie Ohtake (1913-2015), instalados em frente à plataforma sentido Vila Prudente, que retratam as estações do ano — primavera, verão, inverno e outono — por meio de quatro cores principais: verde, amarelo, azul e vermelho. Esse é um dos poucos trabalhos da pintora e escultora nipo-brasileira que utiliza a técnica de mosaico, com tésseras de vidro. Maior das três estações de metrô da Avenida Paulista, a Consolação tem uma área de mais de 10 mil m² e está ao lado de outros pontos turísticos importantes, como o Instituto Moreira Sales da Paulista e o Instituto Cervantes. Essa também é a estação mais próxima do Club Coworking, estrategicamente posicionado no coração da cidade, com uma das melhores infraestruturas urbanas da capital paulista.

Estação Brigadeiro

Localizada na altura do número 300 da avenida Paulista, a Brigadeiro é a menor das estações do eixo, com uma área de quase 9 mil m². Quem percorre a Paulista em busca de entretenimento deve usar a parada para chegar ao Itaú Cultural, Casa das Rosas, Japan House e Sesc Paulista. Essa também é a estação mais próxima do Hospital Santa Catarina e destino para quem vai ao bairro da Bela Vista.

Trianon/MASP

O projeto da estação Trianon/MASP foi realizado pelo arquiteto Roberto McFadden. Ao todo, são 9.290 m² distribuídos em dois mezaninos e plataforma central. Nas plataformas laterais há dois painéis do artista visual Wesley Duke Lee intitulados “Um Espelho Mágico da Pintura no Brasil” com 40 metros de extensão. Já na plataforma central está a escultura “Pássaro Rocca”, de Francisco Brennand, com quase três metros de altura.

Além de estar à frente do Parque Trianon, um pedacinho da Mata Atlântica no coração de São Paulo, a estação Trianon/MASP também dá acesso ao MASP e ao Centro Cultural Fiesp. Essa também é a parada ideal para se chegar à avenida 9 de Julho, que vai do centro de São Paulo à a venida Brigadeiro Faria Lima, no Jardim Europa.

A partir do Club Coworking da Avenida Paulista, a alguns passos do metrô Consolação, você pode chegar em minutos ao centro de São Paulo, à zona Sul da capital e à região da Avenida Brigadeiro Faria Lima, importante reduto financeiro de São Paulo. Aliás, poder encontrar tudo o que se precisa com facilidade desfrutando de momentos de apreciação é uma das várias vantagens de se trabalhar na Paulista!