A atenção à ergonomia física, organizacional e cognitiva traz benefícios para o bem-estar e a qualidade de vida dos colaboradores, e aumenta a produtividade nas empresas

Uma pessoa pode trabalhar até 2.030 horas por ano, logo, passará mais horas por dia no escritório do que em qualquer outro lugar. Um ambiente de trabalho desorganizado, com problemas de iluminação, ventilação, sinalização, ruídos, máquinas quebradas ou cadeiras inadequadas pode causar doenças ocupacionais e/ou provocar acidentes de trabalho, influenciando na capacidade produtiva e na saúde do colaborador.

Por isso, o bem-estar, a saúde física e mental e a qualidade de vida no trabalho passam pela oferta de um ambiente agradável e seguro, garantindo que os colaboradores trabalhem com mais satisfação, o que resulta em aumento da produtividade. Daí a importância vital da ergonomia no trabalho. Seu objetivo é atuar tanto no ambiente, ao melhorar condições do espaço físico da empresa, quanto na organização dos processos, para tornar o trabalho mais compatível com as características físicas e psíquicas dos colaboradores.

O que é ergonomia?

O termo ergonomia deriva do grego: ergon, que significa trabalho, e nomos, que significa leis ou normas. Portanto, ergonomia é a ciência que busca entender a relação do homem com as condições de trabalho e elaborar normas e regras para melhorar esse relacionamento. Para isso, os especialistas buscam conhecer o perfil dos colaboradores, o tipo de atividade exercida e os riscos ergonômicos aos quais a equipe está exposta.

A ergonomia pode ser dividida em três áreas: ergonomia física, organizacional e cognitiva. Entenda:

Ergonomia Física

Atenta-se ao espaço e à saúde física do colaborador, incluindo desde a qualidade dos equipamentos até a postura corporal. Observa a organização do ambiente, ventilação, iluminação, temperatura; condições sanitárias e de trabalho (verifica, por exemplo, a necessidade de equipamentos, especiais como cadeiras ergonômicas ou suporte para computador); sinalização interna, saídas de emergência ou quadros de classificação de risco; quantidade de ruído e tempo em que o colaborador precisa ficar de pé ou levantando peso, além da disponibilidade e qualidade dos equipamentos.

Ergonomia organizacional

Analisa o modus operandi da empresa para melhorar processos internos que podem oferecer riscos à saúde. São observadas as rotinas do trabalho informatizado, como o tempo sentado em frente a um computador, que, por exemplo, podem gerar dores nas costas, problemas de visão ou complicações mais graves. O trabalho exaustivo e/ou repetitivo é um risco para o desenvolvimento de lesões por esforço repetitivo (LER). A quantidade insuficiente de colaboradores e grande volume de trabalho também colaboram para a sobrecarga mental.

Ergonomia Cognitiva

Leva em conta aspectos que podem impactar na carga mental do colaborador, como cobrança excessiva em relação ao tempo; falta de treinamento; ausência de abertura para o diálogo e ambiente de trabalho hostil ou muito competitivo. Neste sentido, estuda os processos mentais gerados no ambiente de trabalho e propõe soluções para melhorar essas condições, como a adoção de medidas de combate ao estresse e à ansiedade.

Benefícios da ergonomia no trabalho

As Normas Regulamentadoras (NRs) foram criadas em 1978 pelo Ministério do Trabalho para regulamentar e orientar quanto aos procedimentos obrigatórios de Segurança e Medicina do Trabalho. Hoje, existem 36 NRs no Brasil, sendo que a NR-17 é específica sobre a ergonomia no trabalho. A norma “visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente.”

Mais do que obrigação prevista em lei, a ergonomia no trabalhogarante benefícios para empregadores e colaboradores, sendo fundamental para garantir o desenvolvimento de uma empresa. Além de estimular um ambiente adequado, melhorar a qualidade de vida e valorizar o trabalho dos colaboradores, traz muitos outros benefícios, como prevenir doenças ocupacionais e diminuir os índices de absenteísmo, principalmente os afastamentos sob atestado médico, bem como os gastos com a substituição desses postos de trabalho, reduzindoos prejuízos financeiros.

A ergonomia no trabalho é ainda mais evidenciada neste contexto como aliada da empresa ao tornar as horas de trabalho mais produtivas e com maior bem-estar para seus colaboradores, melhorando também a imagem corporativa.

Ergonomia no Club Coworking

O cuidado com a ergonomia física e cognitiva foi um dos principais fatores de atenção no planejamento arquitetônico e mobiliário do Club Coworking. Com dois endereços em São Paulo – na região das Avenidas Paulista e Brigadeiro Faria Lima, provemos a todos nossos clientes uma infraestrutura confortável, de acordo com as normas de ergonomia.

Um dos grande diferenciais do Club Coworking é o investimento em isolamento acústico. Nossas salas possuem vidro anti-ruído  ou vidro duplo, onde há vidros com duas espessuras diferentes para isolar o som. Além do mobiliário, iluminação, climatização, nossas unidades favorecem o clima organizacional por meio de ambientes que estimulam o foco, a criatividade, as relações interpessoais e alívio do estresse.